quinta-feira, 18 de março de 2010

CARTAS DE PAULO - LIÇÃO 12 - MATERNAL

Texto Bíblico: Atos 18.16-31

De professor para professor


Prezado professor, neste domingo o objetivo da lição é fazer com que as crianças se esforcem para levar outras a conhecerem a Deus e a sua Palavra.


• Faça uma recapitulação da aula anterior. Pergunte qual foi a palavra-chave estudada e qual o versículo aprendido.

• A palavra-chave da aula de hoje é “CARTA”. Então, durante o decorrer da aula repita a frase: “Paulo se esforçava para explicar a Palavra de Deus.” Você pode se esforçar para explicar aos seus coleguinhas sobre Jesus.


Para refletir


• “Enquanto Paulo ficou em regime de prisão domiciliar, fez mais do que falar aos judeus. Escreveu epístolas, comumente chamada de ‘cartas da prisão’, aos Efésios, aos Colossenses e aos Filipenses. Escreveu também em caráter pessoal, como a carta a Filemom. Lucas esteve com Paulo em Roma (2 Tm 4.11). Timóteo visitou frequentemente o apóstolo. Paulo testemunhou a toda a guarda romana e relacionou-se com os cristãos romanos”.

Extraído da: Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal, CPAD

• Professor, “a criança do maternal gosta de contar histórias que ouviu, por isso, sempre que sobrar um tempinho, dê à criança a oportunidade de recontar a história contada na classe, deixando-a manusear os visuais” (Marta Doreto).


Regras Práticas para os Professores


“O quarto ano de vida é importante para a construção do processo de abstração: a criança consegue se situar ao longo do tempo (passado, presente e futuro), vendo-se num processo contínuo, além de ser capaz de abstrair situações e ações. Assim, pode reagir às situações presentes, às imagens do passado e a planos e elaborações futuras.
É uma idade expansiva, em que a criança pode bater em amigos e nas suas manifestações emocionais, rir de forma estrondosa, ter acessos de fúria ou chorar copiosamente e exageradamente. Funciona, porém, como uma gangorra, pois em poucos momentos são perfeitamente encantadoras e divertidas, não obstante os excessos do seu comportamento.
Essa é também a chamada idade dos porquês: sempre questiona o que ouve, investiga fatos e pergunta muito sobre as coisas do seu cotidiano”.

Extraído do livro: Amor e Disciplina para Criar Filhos Felizes, CPAD


Atividade Manual

Para reforçar o ensino da lição, sugerimos que as crianças façam um desenho para entregar um amigo (a) que ainda não conhece a Jesus. Coloque o desenho dentro de um envelope bem bonito. Enquanto as crianças desenham, converse com elas dizendo que mesmo estando na prisão, Paulo escrevia cartas para anunciar o Evangelho.
Sugestão:
Que tal imprimir o modelo de papel de carta a baixo ou criar um bem decorado com os alunos?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por sua visita.Deixe aqui o seu comentário e responderemos assim que possível.

ORIGEM DA ESCOLA DOMINICAL

Os missionários escoceses Robert (1809/1888) e Sara Kalley (1825/1907) são considerados os fundadores da Escola Dominical no Brasil. Em 19 de agosto de 1855, na cidade imperial de Petrópolis, no Rio de Janeiro, eles dirigiram a primeira Escola Dominical em terras brasileiras. Sua audiência não era grande; apenas cinco crianças assistiram àquela aula. Mas foi suficiente para que seu trabalho florecesse e alcançasse os lugares mais retirados de nosso país. Essa mesma Escola Dominical deu origem à Igreja Congregacional no Brasil.

Hoje, no local onde funcionou a primeira Escola Dominical do Brasil, acha-se instalado um colégio (Colégio Opção, R. Casemiro de Abreu – segundo informações da Igreja Congregacional de Petrópolis). Mas ainda é possível ver o memorial que registra este tão singular momento do ensino da Palavra de Deus em nossa terra.

Houve, sim, reuniões de Escola Dominical antes de 1855, no Rio de Janeiro, porém, em caráter interno e no idioma inglês, entre os membros da comunidade americana.

Fonte:ensinodominical.wordpress.com