....................

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

COMPROMISSO COM DEUS - LIÇÃO 09 JUNIORES


Texto Bíblico:
Mateus 3.13-17; 28.19


A paz do Senhor Jesus, queridos professores da Classe de Juniores!
Provavelmente em sua sala não haja nenhuma criança pensando nisso ainda. Contudo, logo, logo, seu aluno se tornará um pré-adolescente. Portanto, é preciso semear no seu coração o que é o batismo e por que devemos nos batizar.


CRESCENDO NO CONHECIMENTO


“É
com o batismo de João que começa o evangelho (Mc 1.1; At 1.22). Em Mateus, esta inauguração ocorre no capítulo 3; os dois primeiros capítulos servem como prefácio ou introdução.

Veio Jesus da Galileia ter com João ... para ser batizado por ele (v.13).
O anelo de Cristo por batizar-se é visto no fato de Ele caminhar cerca de noventa quilômetros de Nazaré para cumprir essa ordenança de Deus (Mc 1.9). Quantos se submetem ao batismo com o mesmo desejo?

Eis que se lhe abriram os céus (v.
16). Leia Atos 7.55,56. Quantos sabem o que significa ter os céus abertos? Quantos não recebem o que pedem de Deus porque os céus lhes estão fechados? Quantos podem testificar que sentiram os céus se abrirem quando se humilharam no ato de batismo nas águas?

Deus nos abre os céus na hora da oração. Lucas mostra que Jesus orava na ocasião do seu batismo, quando os céus se lhe abriram (Lc 3.21,22).
É no batismo no Espírito que os céus parecem mais abertos do que em qual quer outra ocasião; Jesus, ao ver "o Espírito de Deus ... vindo sobre ele" (v.16), viu também os céus abertos.

O
Espírito de Deus ... vindo sobre ele (v. 16). Jesus passou quase trinta anos na terra antes de iniciar o seu ministério público. Foi somente depois de o Pai ungi-Lo com o Espírito Santo e poder que Ele passou a andar "por toda parte, fazendo o bem e curando a todos os oprimidos do diabo" (At 10.38). Sigamos seu glorioso exemplo e cumpramos sua bendita ordem (Lc 24.49; At 1.4,5; Ef 5.18).

Este é o meu Filho amado (v.
17). É a primeira vez que a Trindade, prefigurada no Antigo Testamento, manifesta-se plenamente. O Espírito desceu sobre o Filho e, ao mesmo tempo, a voz do Pai ouviu-se, vinda dos céus.

Meu Filho amado, em quem me comprazo (v.
17). Este versículo, juntamente com 13.55, revela tudo que sabemos da vida de Cristo, entre sua idade de doze e trinta anos (Lc 2.42; 3.23). Essas poucas palavras, no entanto, são como um grande raio que ilumina claramente os anos que Ele passara na obscuridade de Nazaré.

Quando o Pai deu esse testemunho dos céus acerca do Filho, Jesus não tinha ainda provado sua fidelidade no deserto, no seu ministério público, no Getsêmani, e nem no Calvário. Essas palavras, portanto, referem-se ao gozo do Pai em cont emplar os longos anos durante os quais o Filho trabalhou como carpinteiro, para ganhar o pão cotidiano.

A mensagem vibrante dos dezoito anos que Jesus passou na tenda, antes de iniciar os três anos e meio do seu ministério público, é que, aqueles chamados para trabalhar dia após dia com as mãos são tão honrados perante Deus como os outros que se esforçam, incansavelmente, no ministério da Palavra.

Os carpinteiros, os pedreiros, os lavradores, os mecânicos, os padeiros - to dos que se sentem desalentados na lida cotidiana - devem-se lembrar do Filho de Deus trabalhando fielmente, e sem murmurar, dezoito longos anos na fadiga da sua humilde profissão.

As palavras do Pai também indicam que Cristo executava a sua arte com o alvo de servir ao próximo e, por certo, nunca para enganar. Até as palavras de Mateus 11.30 ("Porque o meu jugo [canga) é suave") dão a entender que Jesus fabricara cangas especiais, conhecidas entre o povo como as mais cômodas para os pobres bois que serviam com paciência aos seus donos.


Que todos os pais se lembrem de que o Cristo de Nazaré é o exemplo para todas as pessoas. Não devemos mais ensinar os nossos filhos a olharem para os soberbos e bem-sucedidos líderes da história do mundo, nem a emularem as aspirações de um Alexandre, um Napoleão ou qualquer outro herói entre os homens. O mais alto exemplo não se baseia no deslumbrante êxito carnal; a verdadeira grandeza, no poder do Espírito Santo, é como se vê em Jesus Cristo. Ele é o verdadeiro modelo tanto para os nossos filhos como para nós, os pais.”
(Espada Cortante. Vol.1. CPAD. p.281-282)

Boa ideia


Uma atividade interessante seria convidar um adolescente e/ou um jovem da igreja, que seja comprometido com Deus e um referencial para as crianças de sua igreja, para ser entrevistado por seus alunos em sala de aula.

Se a sua turma possui um perfil mais tímido, elabore antecipadamente um roteiro de perguntas e entregue uma questão para cada criança fazer ao entrevistado do dia.

Sugestão de atividade


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por sua visita.Deixe aqui o seu comentário e responderemos assim que possível.

ORIGEM DA ESCOLA DOMINICAL

Os missionários escoceses Robert (1809/1888) e Sara Kalley (1825/1907) são considerados os fundadores da Escola Dominical no Brasil. Em 19 de agosto de 1855, na cidade imperial de Petrópolis, no Rio de Janeiro, eles dirigiram a primeira Escola Dominical em terras brasileiras. Sua audiência não era grande; apenas cinco crianças assistiram àquela aula. Mas foi suficiente para que seu trabalho florecesse e alcançasse os lugares mais retirados de nosso país. Essa mesma Escola Dominical deu origem à Igreja Congregacional no Brasil.

Hoje, no local onde funcionou a primeira Escola Dominical do Brasil, acha-se instalado um colégio (Colégio Opção, R. Casemiro de Abreu – segundo informações da Igreja Congregacional de Petrópolis). Mas ainda é possível ver o memorial que registra este tão singular momento do ensino da Palavra de Deus em nossa terra.

Houve, sim, reuniões de Escola Dominical antes de 1855, no Rio de Janeiro, porém, em caráter interno e no idioma inglês, entre os membros da comunidade americana.

Fonte:ensinodominical.wordpress.com