sexta-feira, 5 de agosto de 2011

ABAIXO A VIOLÊNCIA - LIÇÃO 06 ADOLESCENTES



Texto Bíblico: Gênesis 4.5-8; Mateus 5.43-48

Grande parte da história do mundo parece estar relacionada com guerras. O século XX testemunhou duas guerras mundiais e muitas outras de menor amplitude. Na atualidade, há guerras frias e quentes, guerras de palavras, guerras que envolvem armas, rumores de guerra, formações maciças de sistemas de defesa e ameaças mais perturbadoras de guerras globais. Nosso Deus nos avisou que nos últimos dias não haveria paz, senão guerras e rumores de guerras (Mateus 24). Este é um sinal de que em breve Ele virá arrebatar a Igreja, julgar as nações e estabelecer o seu glorioso Reino de Paz e Justiça.

O fato de não ter paz é confirmado por relatórios médicos que atribuem até setenta e cinco por cento de todas as doenças a distúrbios interiores, como ódio, medo, ansiedade ou tensão. Não vivemos em um mundo calmo; contudo, é possível que o crente cheio do Espírito tenha paz, porque sua confiança não está neste mundo, mas em Jesus. Em João 14.27, Jesus falou aos discípulos: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize” .

Extraído do livro: O Fruto do Espírito, CPAD

O mundo tenta negociar a paz, mas nós, servos do Altíssimo, não precisamos negociá-la, porque temos o Príncipe da Paz. Charles Stanley autor do livro Paz um maravilhoso presente de Deus para você comenta que: “O mundo considera a Paz como sendo um resultado de fazer as coisas certas, dizer palavras certas, ter atividade profissional certa e ter as intenções certas. Esses não são nem de longe os critérios para a paz descrita na Palavra de Deus. A paz é uma qualidade íntima que nasce de um relacionamento correto com Deus [...]”.  

Quando nos aproximamos mais de Deus e passamos a ter intimidade real com Ele, brota à paz que excede todo entendimento. A Palavra Deus nos ensina a ter domínio próprio.



Sugestão do Blog:
Professor não perca a oportunidade de levantar em sala de aula a questão do "bullying" e suas diversas formas, bem como os prejuízos por ele causado.
Texto retirado jajuka.zip.net





O bullying pode acontecer em qualquer contexto social, como escolas, universidades, famílias, entre vizinhos e em locais de trabalho.
O bullying, de fato, sempre existiu. O que ocorre é que, com a influência da televisão e da internet, os apelidos pejorativos foram tomando outras proporções.O fato de ter consequências trágicas, como mortes e suicídios, e a falta de impunidade proporcionou a necessidade de se discutir de forma mais séria o tema.
Como prevenir o problema na escola

Para evitar o bullying, as escolas devem investir em prevenção e estimular a discussão aberta com todos os componentes da escola, incluindo pais e alunos.

- Observe com atenção o comportamento dos alunos, dentro e fora de sala de aula e perceba se há quedas bruscas individuais no rendimento escolar.
- Incentive a solidariedade, a generosidade e o respeito às diferenças através de conversas, trabalhos didáticos e até de campanhas de incentivo à paz e à tolerância.
- Desenvolva desde já, dentro de sala de aula um ambiente favorável à comunicação entre alunos.
- Quando um estudante reclamar ou denunciar o bullying, procure imediatamente a direção da escola.
- Muitas vezes, a instituição trata de forma inadequada os casos relatados. A responsabilidade é sim, da escola, mas a solução deve ser em conjunto com os pais dos alunos envolvidos.

Como a família pode ajudar
Os pais devem estar alertas para o problema – seja o filho vítima ou agressor pois ambos precisam de ajuda e apoio psicológico.

Mostre-se sempre aberto a ouvir e a conversar com seus filhos.
- Fique atento às bruscas mudanças de comportamento.
- É importante que as crianças e os jovens se sintam confiantes e seguros de que podem trazer esse tipo de denúncia para o ambiente doméstico e que não serão pressionados, julgados ou criticados.
- Comente o que é o bullying e os oriente que esse tipo de situação não é normal. Ensine-os como identificar os casos e que devem procurar sua ajuda e dos professores nesse tipo de situação.
- Se precisar de ajuda, entre imediatamente em contato com a direção da escola e procure profissionais ou instituições especializadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por sua visita.Deixe aqui o seu comentário e responderemos assim que possível.

ORIGEM DA ESCOLA DOMINICAL

Os missionários escoceses Robert (1809/1888) e Sara Kalley (1825/1907) são considerados os fundadores da Escola Dominical no Brasil. Em 19 de agosto de 1855, na cidade imperial de Petrópolis, no Rio de Janeiro, eles dirigiram a primeira Escola Dominical em terras brasileiras. Sua audiência não era grande; apenas cinco crianças assistiram àquela aula. Mas foi suficiente para que seu trabalho florecesse e alcançasse os lugares mais retirados de nosso país. Essa mesma Escola Dominical deu origem à Igreja Congregacional no Brasil.

Hoje, no local onde funcionou a primeira Escola Dominical do Brasil, acha-se instalado um colégio (Colégio Opção, R. Casemiro de Abreu – segundo informações da Igreja Congregacional de Petrópolis). Mas ainda é possível ver o memorial que registra este tão singular momento do ensino da Palavra de Deus em nossa terra.

Houve, sim, reuniões de Escola Dominical antes de 1855, no Rio de Janeiro, porém, em caráter interno e no idioma inglês, entre os membros da comunidade americana.

Fonte:ensinodominical.wordpress.com